Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

Sexta-feira, 30.10.09

 

 

Há memórias de frases

de acontecimentos

de uma determinada claridade

de uma determinada emoção

mas não consigo sequer apreender todo o sentido

 

Sei que tiveram imensa importância no meu percurso

que de certo modo o determinaram

mas ainda não consigo revê-los

ouvi-los de novo, claro e bom som

 

Há personagens que foram decisivas na minha vida

e nem sei quem são

desconheço a sua realidade

o que me disseram naquele dia

como senti o seu olhar

as suas palavras

que até podiam ser circunstanciais

vazias de sentido

mas que eu valorizei para sempre

como era meu hábito ou característica

gravar tudo o que me acontecia como se fosse na própria alma

ou registo de memória

 

Isto determinou o meu percurso

Posso até dizer hoje que parte de mim

é esse registo de memórias

como eu as vivi e senti

absorvi melhor dizendo

da forma fragmentada ou sem sentido

Talvez lhes tenha dado um outro sentido

 

Como era eu antes dessa influência da memória sensível?

É essa claridade que eu recordo vagamente

Uma nuvem, branca, de Maio

Uma determinada tarde de Verão

numa determinada varanda

Um riso, súbito, límpido

Um determinado jardim


As frases, com sequências de palavras

registadas para sempre numa parte de mim

e posteriores a essa minha natureza primordial

vieram alterar de forma inexorável todo o meu percurso


A minha natureza primordial é anterior às palavras

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ana Gabriela A. S. Fernandes às 00:06

Do Tempo das Descobertas: A Nuvem e as Formigas

Segunda-feira, 26.10.09

 

D' O Cachimbo de Magritte, este texto de Bruno Vieira Amaral sobre dois contos de Italo Calvino:

 

 

" A Nuvem e as Formigas


Publicado no i
Referir a nacionalidade de alguns escritores, como é o caso do italiano Italo Calvino, é um mero acto de competência geográfica ou de zelo patriótico. As obras que lhe granjearam admiração universal provêm de um outro lugar de coordenadas imprecisas, que por comodidade poderemos designar por Literatura, nomeadamente da sub-região do Fantástico. O poder criativo de Calvino, refreado pelo rigor matemático da linguagem, nunca resvala para o devaneio. As Cidades Invisíveis são o exemplo maior dessa arte em que uma imaginação prolífica se alia a uma prosa geométrica. O estilo do autor impõe-se sem esforço aos códigos dos géneros literários.

O mesmo acontece nos dois contos que constituem este livro: A Nuvem de Smog e A Formiga Argentina. Embora tenham sido escritos numa época (1958 e 1952, respectivamente) em que o neo-realismo ainda era a corrente dominante e mesmo que possam ser classificados de “realistas”, afastam-se de qualquer cartilha literária. O primeiro é a história de um jornalista que decide aceitar o lugar de redactor num pequeno jornal. Obedecendo a um desejo de apagamento (“não suporto chamar a atenção”; “queria sentir-me alguém de passagem”), muda-se para um quarto acanhado na nova cidade. Nesse sentido, a perpétua nuvem de smog que envolve a cidade e os seus habitantes deveria ser uma ajuda. No entanto, a visita da namorada, uma mulher bela e optimista lembra-o da possibilidade de uma vida diferente do beco cinzento e empoeirado que escolheu. O segundo conto passa-se num ambiente rural. Um jovem casal com um filho aluga uma casa. A esperança de aí encontrarem a tranquilidade que amenize as dificuldades quotidianas rapidamente se desvanece. Os terrenos em volta da casa estão infestados de formigas nada preocupadas em proporcionar sossego aos habitantes. Quando procuram saber como é que os vizinhos evitam as formigas, percebem que, mais do que uma ameaça, os insectos são parte integrante do seu modo de vida.

Tal como são apresentados nesta edição, os contos foram publicados em 1965, embora já estivessem incluídos no Livro Quarto da colectânea dos Racconti, de 1958. O autor considerava que estes contos estavam ligados por uma “afinidade estrutural e moral”. As ressonâncias são óbvias e o cruzamento de ambos permite uma leitura mais rica. O retrato de ambientes distintos (uma cidade industrial e uma aldeia) e a natureza oposta das “ameaças” (o smog e as formigas) esvaziam a dimensão neo-realista. A angústia não é classista, nem é um mal exclusivo dos centros urbanos e do progresso. Porém, é selectiva: ataca aqueles que não se adaptam. O casal e o jornalista partilham as dores da inadaptação a um novo meio. Aquilo que é um incómodo para eles é, para os adaptados, um factor de coesão social e até de cumplicidade conjugal. As semelhanças entre ambos os finais, em que os protagonistas se distanciam dos problemas e contemplam paisagens despoluídas e desinfestadas, elucidam-nos quanto ao sentido metafórico que Calvino atribui ao smog e às formigas: o da rotina que nos envolve, como a nuvem de smog, e que entra pelas nossas casas sem pedir licença, como as formigas. "

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ana Gabriela A. S. Fernandes às 16:44

A nossa casa

Quinta-feira, 22.10.09

 

 

A nossa casa é branca

e está colocada no lugar certo

de um lado a montanha

do outro o lago

e no espaço intermédio

árvores e flores

 

Mas o melhor da casa é a luz

a luz da casa

que se inicia de manhá

primeiro oblíqua

depois vertical

 

Há um caminho para a casa

um caminho só

e só sabe percorrê-lo

quem de nós sabe

o riso e os abraços

 

A sala está virada para a entrada

de onde os podemos ver chegar

um a um, vamos recebê-los

deixando as suas vozes misturar-se

com a brisa que ali sempre passa

 

A nossa casa

é a nossa história comum

branca e luminosa

os gestos mais simples

palavras soltas

risos

algumas lágrimas

e o espaço subtil

que tudo ilumina

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ana Gabriela A. S. Fernandes às 12:08

Açor (accipiter gentilis) a planar

Sábado, 17.10.09

  

 

Foi ontem que o avistámos. Na berma da estrada, em cima de um planalto sinuoso.

As penas castanhas ao sol da tarde formaram vários reflexos quando iniciou um breve voo.

Equilibrou-se de forma ágil na ponta superior de um pinheiro. Voou de novo e de novo pousou na ponta de outro pinheiro.

Pouco depois vimo-lo a planar num céu muito azul, mantendo-se quase imóvel, aproveitando uma ou outra corrente de ar para subir, sempre a planar, ou descer, as asas muito abertas.

Um ligeiro movimento e avança de lado rapidamente, como um avião nos filmes dos anos 4o.

A ideia de prazer, de total liberdade, sintetizada no planar de um açor no cimo de um planalto.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ana Gabriela A. S. Fernandes às 15:35

Do Tempo das Descobertas: O Estanque

Sexta-feira, 09.10.09

 

E a segunda Descoberta vem da Galiza:

 

 

Avelino Abilheira
" Cara amiga, caro amigo,


Nestes dias inversos em que a palavra "paz" pertence aos donos das
guerras, atrevo-me a incorrer no vosso prezado tempo com este breve
pensamento antigo sobre os alimentos perenes da vida, que são o amor, a luta, a ordem da matéria, a memória. Grande abraço!
 
 
O Estanque

Aconteceu a começos da estação migratória, durante sete noites de irrepetível alinhamento entre Vénus, Terra e Marte, nesses anos de rara esperança para o povo em que até as águas podiam voltar a falar: não existe para a História igual prazer que expulsar o opulento monarca que ocupava a tua casa.

Eu passeava na alta noite na Alameda, lembrando os seus caminhos, quando a superfície totalmente lisa do estanque começou a vibrar levemente desde o centro sob o mesmo princípio sonoro dos tambores e das membranas dos telefones infantis de lata e corda tensa. Sentei-me num banco para escutar melhor uma baixa harmonia de vogais. Apenas distingui algumas sílabas de flores antes de o vento perturbar as águas. A presença dum guarda aproximando-se convidou-me a partir, pois os tempos ainda eram menos livres que o desejo.

Voltei à noite seguinte à mesma hora. Junto da alverca circular, o Comissário instruía com gestos de vigor a um jovem pálido de olhar perdido que reconheci como habitante do outro lado da liberdade, um pobre guarda daquele ano da greve agora destinado a recolher informações, como se o acosso aos humildes doesse menos do que os golpes.

Fingindo indiferença, aproximei-me das águas pelo lado oposto, e o portento das ondas suaves repetiu-se. Mas de novo entrou um ar que rompeu a superfície e enxotou as palavras, porque com dois elementos —água e terra— traçamos os signos os humanos, mas os outros dois foram criados para apagar as escritas.

Só na terceira noite o estanque terso como um espelho para astros e aves difundiu com clareza fragmentos dum diálogo em dois timbres. Falavam papéis miúdos aliados com a substância do pão, porque nascem do mesmo germe vegetal. Então reconheci entre pausas palavras sobre flores e sangue, frases sobre poesia e persistência, sentenças da inconfundível matéria do amor. No seu banco, o pálido polícia escutava também, olhava-me em suspeita, detinha-se, registava coisas minuciosas num caderno.

Por fim, no zénite da quarta noite extremamente calma, pude reviver com prazer meses inteiros de conversas furtivas. Voltei a ver duas figuras a fiarem lentas danças de passos entre as árvores. Com a última frase singularmente clara todo o estanque tremeu como um redondo mamífero que acabasse de acolher no centro uma semente. Quando o diálogo concluiu com um prolongado nome de mulher, no branco silêncio final da sinfonia, retirei-me a descansar, tranquilo, pleno.

Nas noites seguintes a intensidade das vozes foi esmorecendo enquanto os três pontos planetários se afastavam da linha guia marcada no seu céu. Foi só no último dia do prodígio, quando quase nada se escutava, que observei como o jovem polícia já não escrevia. Se soava a voz da mulher, ele erguia a cabeça e olhava para o fundo dos salgueiros, como lembrando um abraço não vivido, o admirável rosto dessa voz, a breve visita em missão de trabalho à casa das acácias amarelas. Compadeci que o guarda fosse prisioneiro dum antigo desejo pelo qual nem sequer combatera. Pela minha parte, a ausência fizera-me entender que embora as flores irreparáveis morram, outras podem nascer no seu lugar para escreverem de novo nas janelas.


Pouco tempo depois houve um enorme massacre e uma guerra terrível. Se por desgraçada obediência eu tivesse levantado uma arma, talvez esta não fosse a nossa, mas a arma do terror. E talvez, em paradoxo, me visse obrigado a matar defronte na trincheira um infeliz converso que pálido de amor defendia a morte a liberdade dos povos e das águas para falarem quando se ordenam com justeza no infinito as três cores dos planetas.
"
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ana Gabriela A. S. Fernandes às 21:16








comentários recentes



links

coisas à mão de semear

coisas prioritárias

coisas mesmo essenciais

outras coisas essenciais

coisas em viagem


subscrever feeds